Nosso site utiliza cookies para melhorar a navegação do usuário. Os cookies são pequenos arquivos de páginas que você visita e que ficam salvos no seu computador. Clicando em "Eu Aceito!", você concorda com esse armazenamento no seu dispositivo e nossa Política de Privacidade.
Receba novidades do blog Mundo do Aço!

Mundo do Aço

O Senado aprovou na noite de terça-feira as regras do programa Casa Verde e Amarela, que vai substituir o Minha Casa, Minha Vida nas novas contratações habitacionais. A principal diferença é que o novo programa exclui as condições especiais para famílias de renda mensal inferior a R$ 1,8 mil, com prestações mensais de R$ 80 a R$ 270, previstas no Minha Casa Minha Vida.

O programa passa a dividir o público-alvo em três grupos e, além de financiamento de imóveis, prevê outras ações, como reforma para melhorias da moradia e regularização fundiária. O foco são as famílias com renda média mensal de até R$ 7 mil, mas haverá incentivos maiores para as regiões Norte e Nordeste, outra diferença em relação ao Minha Casa, Minha Vida:

Grupo 1: famílias com renda de até R$ 2 mil mensais

(no caso das regiões Norte e Nordeste, até R$ 2,6 mil);

Grupo 2: famílias com renda entre R$ 2 mil e R$ 4 mil mensais

Grupo 3: famílias com renda entre R$ 4 mil e R$ 7 mil mensais.

Para a área rural: famílias com renda anual de até R$ 84 mil (desconsiderando benefícios temporários indenizatórios, assistenciais e previdenciários).

Juros

A menor taxa do Minha Casa Minha Vida era de 5%, para os beneficiários com renda até R$ 2,6 mil mensais. Pela proposta, os juros passam a variar de 4,25% a 8,16%, dependendo da faixa de renda, da região do país e se o beneficiário é cotista do FGTS.

Comente aqui
O seu endereço de e-mail não será exibido no comentário
Campos obrigatórios estão indicados com ( * )
Ainda restam caracteres.
Seu comentário está aguardando aprovação.
Obrigado pelo seu comentário!

ferrominas@ferrominas.com.br

Rua Virgínia Brandão 157 - Santa Luzia
Centro, Ubá - MG, 36506-006