Nosso site utiliza cookies para melhorar a navegação do usuário. Os cookies são pequenos arquivos de páginas que você visita e que ficam salvos no seu computador. Clicando em "Eu Aceito!", você concorda com esse armazenamento no seu dispositivo e nossa Política de Privacidade.

Mundo do Aço

Com a pandemia, China reforça sua hegemonia no setor de aço crédito: Arcelor Mittal/Divulgação

Quando a notícia de um vírus na China, em Wuhan, correu o mundo no início de 2020, poucos teriam imaginado que a crise posterior aumentaria em vez de diminuir o domínio do país em indústrias básicas. Um setor que particularmente deixa isso bem claro é o de aço. Produção do país, que rompeu a barreira de 1 bilhão de toneladas em 2020, representou mais de 57% do total do mundo até novembro, impulsionada com estímulos do governo

Em 2020, até novembro, a proporção chinesa na produção mundial foi de 57,5%, segundo uma análise de dados da Associação Mundial do Aço (WSA, na sigla em inglês) feita pela Mysteel. Em comparação, à porcentagem em todo 2019 foi de 53,3%.

A produção na China aumentou nesses 11 meses em comparação ao mesmo período do ano anterior e somou quase 1 bilhão de toneladas, enquanto a mundial caiu. Na China, o registro de novos casos de contágio diminuiu até quase sumir na segunda metade do ano, enquanto a pandemia continuou (e continua) a assolar outras grandes economias.

As medidas econômicas da China para reagir à pandemia, que incluíram a emissão de bônus especiais criados para custear projetos de infraestrutura, repetindo a estratégia de estímulos pós-crise financeira mundial de 2008, elevou a necessidade de aço. A demanda também foi impulsionada pela enxurrada de construções que acompanhou a forte alta no preço dos imóveis.

Esse quadro teve implicações importantes no mercado de commodities. Enquanto algumas delas, mais notavelmente o petróleo, viam a cotação mergulhar afetadas pela pandemia, o preço do minério de ferro (ingrediente essencial na siderurgia) quebrava um recorde atrás do outro.

Em dezembro, a cotação alcançou o maior patamar em sete anos, incentivado em parte pela demanda da próspera indústria chinesa.

A Austrália, que se enrolara em uma disputa geopolítica cada vez mais furiosa com a China, conseguiu mesmo assim enviar enormes quantidades de minério de ferro ao longo dos últimos 12 meses. Sua economia e as grandes mineradoras com sede no país, assim como outros produtores como a brasileira Vale, se beneficiaram diretamente dessas vendas.

Projeta-se que a produção de aço na China continuará elevada neste ano. A S&P Global Platts estima que em 2021, a produção bruta chegará a 1,068 bilhão de toneladas. Também prevê aumento nas exportações chinesas de produtos de aço acabado.

Seria mais um exemplo de recuperação que chega primeiro na China para depois disseminar-se a outros países. Assim como na produção de aço, a China elevou sua proporção na corrente de comércio mundial em 2020. As exportações em novembro subiram mais de 20% na comparação anual.

A S&P Global Platts prevê aumento nas exportações de aço graças tanto à recuperação no exterior e quanto à desaceleração da demanda por propriedades na China, em especial no setor residencial, segmento em que o governo chinês tomou medidas recentes para controlar os preços. Os dirigentes anunciaram medidas para restringir a alavancagem de suas maiores incorporadoras imobiliárias e, nas últimas semanas, impuseram novos limites à concessão de empréstimos bancários, tanto para incorporadoras quanto para o mercado de créditos imobiliários.

A recuperação da China deverá entrar em uma fase puxada pela recuperação plena do consumo doméstico, afastando-se da pesada dependência em relação à indústria. Dados oficiais mostram que até agora o crescimento das vendas varejistas vem ficando para trás em comparação ao da produção industrial, que em novembro superou o da maior parte dos meses de 2019.

Portanto, embora muitas das condições que sustentaram a cadeia de produção do aço em 2020 possam continuar presentes, também há sinais de que a estratégia industrial da China cederá espaço a uma abordagem econômica diferente, embora o quadro como um todo dependa da recuperação mundial e do que ocorrer na China.

Além disso, embora a produção siderúrgica da China deva continuar elevada, pode não superar necessariamente o patamar de 2020. A agência oficial de notícias da China “Xinhua” noticiou no fim de dezembro declarações de Xiao Yaqing, ministro da Indústria e da tecnologia da informação, dizendo que a China iria “decididamente reduzir a produção de aço bruto e garantir que caia, em termos anuais, em 2021”.

O anúncio não foi motivado pelas pressões de curto prazo da pandemia, mas pelos planos de longo prazo da China de reduzir as emissões de carbono. Em 2020, o presidente da China, Xi Jinping, prometeu a neutralidade de carbono no país para 2060. Quando os efeitos da pandemia tiverem desaparecido, esses planos poderiam ter consequências ainda maiores (e imprevisíveis) para o comércio de commodities.

Fonte: Financial Times

Comente aqui
O seu endereço de e-mail não será exibido no comentário
Campos obrigatórios estão indicados com ( * )
Ainda restam caracteres.
Seu comentário está aguardando aprovação.
Obrigado pelo seu comentário!

ferrominas@ferrominas.com.br

Rua Virgínia Brandão 157 - Santa Luzia
Centro, Ubá - MG, 36506-006