Ferrominas
Tabela de Normas e técnicas


Aço brasileiro não compete com o americano, diz governo

O governo brasileiro vai argumentar que o aço exportado para os EUA não concorre com o produto feito no país, na tentativa de evitar barreiras à entrada no mercado norte-americano.

O presidente Donald Trump decidirá até 19 de abril se levanta proteção contra o aço importado, uma de suas promessas de campanha para aumentar a fabricação local e gerar empregos.

Após investigar os principais exportadores aos EUA, desde abril de 2017, o Departamento de Comércio americano fez três recomendações, que poderão ser eleitas por Trump.

A primeira seria aplicar uma tarifa de 24% a todas as importações de aço. A segunda seria criar cotas que limitem o volume de produtos importados. A terceira, a mais temida pelo Brasil, seria fixar uma tarifa de 53% sobre o aço de 12 grandes fornecedores -o Brasil é o segundo país que mais vende produtos siderúrgicos aos EUA, atrás apenas do Canadá.

Comitiva liderada pelo ministro da Indústria e Comércio Exterior, Marcos Jorge de Lima, desembarca em Washington neste fim de semana para conversas bilaterais com o secretário de comércio, Wilbur Ross, na próxima terça-feira (27).

O encontro já estava combinado, mas o Brasil inseriu o aço na agenda prioritária de negociação entre os dois países após a decisão do Departamento de Comércio, divulgada no último dia 16.

“Esperamos obter uma sinalização positiva por parte dos americanos. Esperamos que eles considerem excluir o Brasil, caso haja sanção”, disse Jorge nesta sexta-feira (23) em Brasília.

Executivos de siderúrgicas brasileiras também irão aos EUA, para atividades com representantes do setor privado americano, segundo o ministro, na tentativa de somar esforços a favor do produto brasileiro.

Jorge afirma que os empresários irão conversar principalmente com os produtores de carvão, importado pelo Brasil para a queima nas siderúrgicas.

O principal argumento brasileiro é que 80% da exportação aos EUA são produtos semimanufaturados, que sofrem novo processo de industrialização quando chegam ao país.

Além disso, a produção local americana não daria conta de abastecer as siderúrgicas com esse tipo de aço, que é uma matéria-prima.

Outro argumento a ser observado na negociação é a relação comercial e de investimentos entre os dois países. A corrente de comércio, enfatizou Jorge, soma US$ 51 bilhões.

ANÁLISE POLÍTICA

As alegações não são novas, uma vez que os investigadores americanos colheram informações com produtores e com o governo brasileiro no último ano.

A diferença, segundo Jorge, é que serão apreciados agora sob uma análise política, que leva em conta a relação entre os dois países, além das especificidades técnicas do setor siderúrgico.

“Não se trata de uma medida ortodoxa de comércio”, afirmou o secretário de comércio exterior, Abrão Neto.

O Brasil contesta na OMC (Organização Mundial do Comércio) medidas de proteção ao aço acionadas pelos EUA e, em 2016, abriu formalmente um processo (painel) contra o país.

O ministério observa, porém, que muitas siderúrgicas brasileiras se instalaram nos EUA, em investimentos que somam US$ 11 bilhões.

“O Brasil não oferece riscos ao mercado americano, somos parceiros estratégicos”, afirmou.

Além do aço, Brasil e EUA têm na agenda outros assuntos a tratar, como medidas de facilitação do comércio e padronização para registro de patentes industriais.

O Brasil exportou US$ 2,6 bilhões em produtos siderúrgicos aos EUA no ano passado. O governo ainda não sabe o impacto que a barreira poderia provocar no país ou no setor de aço. Porém, o mercado americano é um dos principais destinos de produtos industriais brasileiros no exterior.


Fonte: Folhapress



Previsão da Usiminas é de estabilidade dos preços do aço no 4º trimestre
Antes do aumento de preço no terceiro trimestre o prêmio do preço do aço doméstico em relação ao importado estava negativo em 5%, mas hoje está positivo entre 5% e 10%, nível considerado adequado

Leia mais
…………………………………
Usiminas tem avanço no 3º trimestre
A companhia informou como destaques para o desempenho positivo os maiores preços e volumes de aço no mercado doméstico e cotações mais altas na exportação. Além disso, houve avanço também no negócio de minério de ferro

Leia mais
…………………………………
Usiminas quer vender unidade de mineração em 2019
Operação deverá decolar após o desfecho das eleições presidenciais no Brasil

Leia mais
…………………………………
Programa de saúde ocupacional da Usiminas recebe prêmio internacional
Premiação foi dada pela World Steel Associação durante conferência anual da entidade

Leia mais
…………………………………
Siderúrgica Posco tem maior lucro trimestral desde 2011 impulsionada por preços do aço
A siderúrgica sul-coreana Posco publicou nesta terça-feira o maior lucro trimestral desde 2011 e afirmou que espera que a receita de 2018 cresça impulsionada por preços mais altos de aço. A quinta maior produtora de aço do mundo elevou a previsão de receita anual para 64,8 trilhões de wons (57 bilhões de dólareS) ante estimativa anterior de 64,1 trilhões de wons divulgada em julho. Os preços do aço na China subiram quase 20 por cento este ano, impulsionados por interrupções de produção geradas por ações de combate à poluição e excesso de capacidade produtiva. O vice-presidente executivo da Posco, Kim Gwang-soo, afirmou em teleconferência com analistas que os preços do aço devem continuar fortes no quarto trimestre diante de demanda sólida. "Um aumento na produção de aço da China no terceiro trimestre e cortes menores que o esperado de produção pesaram sobre os preços...mas a demanda deve crescer no quarto trimestre e a China deverá reduzir a produção, embora o corte deverá ser menor que o realizado no ano passado", disse Kim. Em setembro, a produção diária de aço da China atingiu recorde de 2,7 milhões de toneladas, em média. O lucro operacional da Posco no trimestre passado subiu 36 por cento, para 1,5 trilhão de wons, informou a empresa. A receita do terceiro trimestre avançou 9,1 por cento sobre um ano antes, para 16,4 trilhões de wons.

Leia mais
…………………………………
 
 
 
 
Ubá
Telefone: (32) 3539-3300
ferrominas@ferrominas.com.br
Viçosa-MG (escritorio de vendas)
Telefone: (31) 3892-6391 / (31) 99989-0844
vicosa@ferrominas.com.br
   
© Copyrigth 2012 - Ferrominas - Todos os direitos reservados GW Soluções Web 32 3531-8286