Ferrominas
Tabela de Normas e técnicas


Aço brasileiro não compete com o americano, diz governo

O governo brasileiro vai argumentar que o aço exportado para os EUA não concorre com o produto feito no país, na tentativa de evitar barreiras à entrada no mercado norte-americano.

O presidente Donald Trump decidirá até 19 de abril se levanta proteção contra o aço importado, uma de suas promessas de campanha para aumentar a fabricação local e gerar empregos.

Após investigar os principais exportadores aos EUA, desde abril de 2017, o Departamento de Comércio americano fez três recomendações, que poderão ser eleitas por Trump.

A primeira seria aplicar uma tarifa de 24% a todas as importações de aço. A segunda seria criar cotas que limitem o volume de produtos importados. A terceira, a mais temida pelo Brasil, seria fixar uma tarifa de 53% sobre o aço de 12 grandes fornecedores -o Brasil é o segundo país que mais vende produtos siderúrgicos aos EUA, atrás apenas do Canadá.

Comitiva liderada pelo ministro da Indústria e Comércio Exterior, Marcos Jorge de Lima, desembarca em Washington neste fim de semana para conversas bilaterais com o secretário de comércio, Wilbur Ross, na próxima terça-feira (27).

O encontro já estava combinado, mas o Brasil inseriu o aço na agenda prioritária de negociação entre os dois países após a decisão do Departamento de Comércio, divulgada no último dia 16.

“Esperamos obter uma sinalização positiva por parte dos americanos. Esperamos que eles considerem excluir o Brasil, caso haja sanção”, disse Jorge nesta sexta-feira (23) em Brasília.

Executivos de siderúrgicas brasileiras também irão aos EUA, para atividades com representantes do setor privado americano, segundo o ministro, na tentativa de somar esforços a favor do produto brasileiro.

Jorge afirma que os empresários irão conversar principalmente com os produtores de carvão, importado pelo Brasil para a queima nas siderúrgicas.

O principal argumento brasileiro é que 80% da exportação aos EUA são produtos semimanufaturados, que sofrem novo processo de industrialização quando chegam ao país.

Além disso, a produção local americana não daria conta de abastecer as siderúrgicas com esse tipo de aço, que é uma matéria-prima.

Outro argumento a ser observado na negociação é a relação comercial e de investimentos entre os dois países. A corrente de comércio, enfatizou Jorge, soma US$ 51 bilhões.

ANÁLISE POLÍTICA

As alegações não são novas, uma vez que os investigadores americanos colheram informações com produtores e com o governo brasileiro no último ano.

A diferença, segundo Jorge, é que serão apreciados agora sob uma análise política, que leva em conta a relação entre os dois países, além das especificidades técnicas do setor siderúrgico.

“Não se trata de uma medida ortodoxa de comércio”, afirmou o secretário de comércio exterior, Abrão Neto.

O Brasil contesta na OMC (Organização Mundial do Comércio) medidas de proteção ao aço acionadas pelos EUA e, em 2016, abriu formalmente um processo (painel) contra o país.

O ministério observa, porém, que muitas siderúrgicas brasileiras se instalaram nos EUA, em investimentos que somam US$ 11 bilhões.

“O Brasil não oferece riscos ao mercado americano, somos parceiros estratégicos”, afirmou.

Além do aço, Brasil e EUA têm na agenda outros assuntos a tratar, como medidas de facilitação do comércio e padronização para registro de patentes industriais.

O Brasil exportou US$ 2,6 bilhões em produtos siderúrgicos aos EUA no ano passado. O governo ainda não sabe o impacto que a barreira poderia provocar no país ou no setor de aço. Porém, o mercado americano é um dos principais destinos de produtos industriais brasileiros no exterior.


Fonte: Folhapress



Usiminas eleva compra de placas de aço após explosão em gasômetro
Por conta da explosão em seu gasômetro na unidade de Ipatinga (MG) , a Usiminas teve que adquirir 35 mil toneladas adicionais de placas de aço no mês passado para garantir o abastecimento de sua produção. A usina teve que ficar parada por alguns dias, logo após o ocorrido. Fora de casa A siderúrgica mineira, que está com a sua atividade primária em Cubatão (SP) paralisada há mais de dois anos, vem comprando placas de terceiros – como da Ternium (ex-CSA) e da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). No segundo trimestre deste ano, a Usiminas processou 357 mil placas adquiridas. Procurada, a Usiminas não comentou.

Leia mais
…………………………………
Usiminas avança 4% com possível reajuste do preço do aço
Vale (VALE3) e siderúrgicas As ações da Vale sobem em meio à alta do minério de ferro e chegam a R$ 58,00. Vale destacar que uma “nova era do minério de ferro” pode ser traduzida em resultados surpreendentes para a Vale no futuro próximo, de acordo com analistas e gestores com cobertura do setor ouvidos pela InfoMoney. Com este cenário pela frente, junto a um "momento raro" dos negócios, a mineradora tem tudo para ser uma boa pedida para compor carteiras de investimentos focadas no pagamento de dividendos. Confira a matéria completa clicando aqui. As siderúrgicas também registraram alta. Ontem, o Valor Econômico noticiou que a CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM5) aproveitaram o momento de desvalorização do real e da resistência dos preços internacionais, para anunciarem um possível novo reajuste já para o mês outubro. O aumento médio deve ser de 5% para todos os produtos, sendo este o quarto reajuste anunciado apenas em 2018.

Leia mais
…………………………………
CSN fecha termo de Ajustamento de Conduta que mantém funcionamento de usina
A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) informou, por meio de fato relevante, que concluiu as tratativas com os órgãos do Estado do Rio de Janeiro para a celebração de um Termo de Ajustamento de Conduta que mantém o pleno funcionamento das operações da Usina Presidente Vargas, localizada em Volta Redonda. O termo contempla investimentos de aproximadamente R$ 303 milhões em projetos e ações ambientais na região até agosto de 2024 e representa um compromisso da companhia com a sustentabilidade das suas atividades, com as comunidades de Volta Redonda e região. As tratativas com o Estado do Rio foram feitas por meio da Secretaria de Estado do Ambiente, o Instituto Estadual do Ambiente e a Comissão Estadual de Controle Ambiental.

Leia mais
…………………………………
Quase 90% da capacidade de produção de aço da China cumprirão metas de emissões até 2025, diz executivo da Vale
Quase 90 por cento da capacidade de aço da China terá cumprido os novos padrões de emissão até 2025, disse na quinta-feira uma autoridade da Vale. "Até 2025, quase 90 por cento da capacidade de aço na China terá atendido a esses novos padrões", disse Peter Poppinga, diretor-executivo da Vale, em uma conferência do setor. A China tem pressionado agressivamente as cidades a reduzirem a produção industrial para combater a poluição, incluindo plantas na principal cidade siderúrgica de Tangshan. Poppinga também disse que a produção de minério de ferro da Vale está atualmente em 400 milhões de toneladas por ano. "Achamos que este é um nível saudável daqui para frente quando você pensa em otimização de margem", disse ele.

Leia mais
…………………………………
Cadê o dividendo da CSN que estava aqui? R$ 0,64 por ação "evapora" na mão do acionista
Empresa cancela dividendo após declarado, preços não são corrigidos em Bolsa e investidor assume perda de capital

Leia mais
…………………………………
 
 
 
 
Ubá
Telefone: (32) 3539-3300
ferrominas@ferrominas.com.br
Viçosa-MG (escritorio de vendas)
Telefone: (31) 3892-6391 / (31) 99989-0844
vicosa@ferrominas.com.br
   
© Copyrigth 2012 - Ferrominas - Todos os direitos reservados GW Soluções Web 32 3531-8286